Clínica Infantil Indianópolis

Por que solicitar exames de alergia?

Bom dia,

Com relação a alergia às proteínas do leite de vaca, a comprovação laboratorial não é de 100%, aproximadamente 85% dos casos são detectáveis e 15% não são detectáveis, o Sr. enfatiza, em dois artigos, que os resultados devem ser interpretados como falso-negativos, ou seja, como alergia não detectada, impondo-se a restrição aos laticínios (prova terapêutica).
Por que , então , solicitar os exames (RAST)?

Karyene Gil Fernandes CRM 135464

Natália Gabriela Lopes dos Santos  CRM 145352  
Doutorinhas !! 
A interpretação destes 15% é polêmica, pois pode representar tanto um resultado falso-negativo, como significar que o paciente não seja alérgico. No entanto, é óbvio que os exames são solicitados frente a uma suspeita clínica, que faz a diferença em valorizar estes resultados não como excludentes da alergia (como se o paciente não fosse alérgico), mas, com poucas exceções, como falso-negativos (como alergia não detectada). Portanto, tratando-se do “Bebê Chiador”, não cabem contestações sustentáveis quanto à restrição aos laticínios, independentemente dos resultados dos exames (яΤв). 
Nesta idade, essa medida é mais fácil de levar a termo, com o devido rigor, sem mascarar sua valia como prova terapêutica, cujos resultados podem ser evidenciados transcorridos quatro semanas. Aliás, são sempre satisfatórios, pois mesmo pressupondo que a criança, realmente, não seja alérgica, o leite de vaca agrava sobremaneira os refluxos. 
Os quadros de “Bebê Chiador”, de modo geral, estão sob a influência dos refluxos gastroesofágicos, das proteínas do leite de vaca e da baixa imunidade da idade, entre outros fatores, menos relevantes, que se interagem. A abordagem diagnóstica e terapêutica segue moldes, praticamente, protocolares. Os exames laboratoriais e os procedimentos, assim como os tratamentos, são os mesmos. A diferença fica a critério médico, em determinar a posologia e o tempo de administração dos remédios a serem empregados. 
 Contudo, no que concerne a alergia ao leite de vaca, é importante rastrear a(s) proteína(s) responsável(eis) pelo quadro clínico, a fim de estabelecer uma previsão prognóstica quanto à gravidade dos sintomas, recorrências e reversibilidade do processo. 
Salvo os casos graves de alergia alimentar, os quais podem culminar em choque anafilático, o leite de vaca, graças às suas frações protéicas, é o único alimento capaz de precipitar sintomas respiratórios com acessos de tosse e/ou crises de “chiado no peito” e/ou falta de ar. Estes quadros clínicos são indistinguíveis aos dos causados pelas infecções (Bronquiolites) e dos refluxos.
Das 25 proteínas lácteas reconhecidas, apenas três são passíveis de identificação. Apesar da alergia mista, abrangendo mais de uma proteína no processo alérgico, não ser incomum, é descrito- nos casos isolados- que os sintomas mais graves estão associados à alergia da beta-globulina.  
Os casos que cursam com sintomas leves e recidivas frequentes, inclusive que costumam reverter mais rapidamente- após um determinado tempo de restrição aos produtos lácteos- são atribuídos à alergia da alfa-lactoalbumina. 
A alergia alimentar, na grande maioria das vezes, surge na infância e é reversível após um período de abstinência variável de meses até alguns anos, ao contrário do que ocorre, quando se manifesta nos adultos. Nos casos de alergia às proteínas do leite de vaca, por exemplo, 50% das crianças passam a tolerar o alimento – deixam de apresentar sintomas – após um ano de abstenção, 70% tornam-se assintomáticas após dois anos e 90% em até três anos. Existem indicativos de que essa evolução está condicionada a não haver transgressões no cumprimento rigoroso da dieta isenta de produtos lácteos.
 Há citações em que se impôs restrição aos laticínios por 10 anos. Na maioria destes casos, a proteína envolvida era a caseína (яΤв). 
Recomenda-se um tempo de restrição de, no mínimo, quatro meses. Caso essa conduta tenha sido adotada nos primeiros meses de vida, deve-se aguardar que a criança complete, pelo menos, o seu primeiro aniversário, para que o leite de vaca seja reintroduzido na dieta- para o teste de provocação. Aliás, os leites de origem animal, tanto o de vaca como o da cabra ou da búfala, não são bem-vindos no primeiro ano de vida. 
Nas manifestações graves, recomendam-se cinco anos, se é que alguém vai ter coragem de reintroduzir o alimento, ainda que em ambiente hospitalar. 
Quanto à interpretação dos resultados falso-negativos, pertinentes ao rastreamento dos agentes inalatórios responsáveis pelos quadros de Asma e de Rinite alérgica, não há muito a polemizar se os sintomas estiverem relacionados com mudanças climáticas, sazonalidade ou contato com poeira, ácaros, fungos, animais domésticos ou com odores irritantes de qualquer natureza e se houver histórico familiar, envolvendo parentes próximos, com algum tipo de alergia, não necessariamente com a mesma doença e, muito menos, quando ocorre melhora após medicação para alergia (anti-histamínica).  
Voltando a alergia alimentar, os resultados positivos, por sua vez, também geram dúvidas, quando apontam um determinado alimento como alérgico, o qual já foi consumido várias vezes, sem ter causado qualquer sintoma. Rotular como falso-positivo ou, seria mais prudente, considerar como um alerta para eventuais reações, inclusive, sem meios de prever a gravidade do quadro, caso o alimento suspeito continue fazendo parte do cardápio? Merecem a mesma ponderação os casos de alergia familiar grave, quanto à insegurança de introduzir ou não o alimento incriminado no cardápio do bebê, particularmente no primeiro ano de vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *